Atletas do TRT5 vivem expectativa de Olimpíada com sede em Salvador

O servidor Roberto Andrade acredita que há magistrados e servidores com potencial para disputar nas Olimpíadas.

A expectativa para a realização da 18ª edição da Olimpíada Nacional da Justiça do Trabalho (ONJT) na Bahia em 2019 é um dos assuntos mais conversados pelos esportistas do TRT- 5ª Região. Com o anúncio da candidatura de Salvador para sediar os jogos, feito pela presidente do Tribunal, desembargadora Maria Adna Aguiar, os atletas esperam que mais servidores se juntem ao quadro de competidores nas próximas edições.

Na ONJT deste ano, realizada de 23 a 29 de setembro, em Vitória (ES), o TRT baiano ganhou um total de 14 medalhas, sendo oito de ouro, duas de prata e quatro de bronze e ficou em 13º lugar no ranking nacional. Alcançou seu melhor desempenho no maior evento esportivo organizado pela Associação Nacional dos Servidores do Judiciário Trabalhista (Anastra) em pelo menos três quesitos: conquista de medalhas, número de participantes e modalidades competidas.

Para o servidor da Secretaria de Assessoramento Jurídico Roberto César de Andrade, que conquistou um ouro nos 800 metros e dois bronzes nos 200 e 400 metros no atletismo, muitos servidores têm potencial para competir nos jogos, mas a distância, o custo e a falta de treinamento são alguns dos motivos que podem desanimar. ''Essas pessoas precisam ser incentivadas, primeiro, acreditar que elas são capazes de competir para obter bons resultados, até porque as modalidades são divididas por sexo e idade, então todos os participantes estão dentro de um mesmo perfil''.

De acordo com Andrade, muitas iniciativas trarão novos servidores para os jogos da ONJT. “A divulgação das medalhas que ganhamos no site estimula o pessoal. Estamos empenhados também em convidar pessoalmente os colegas, inclusive alcançar os que trabalham no interior. O incentivo que a presidente dará junto ao Sindijufe para a gente se preparar para a olimpíada de 2018, em Blumenau (SC), vai ser muito importante”.

 

Eduardo Rocha espera que na próxima edição mais colegas se juntem à equipe baiana.

Já o servidor Eduardo Rocha, do Juízo de Conciliação de 2ª Instância (JC2), que levou um ouro nos 50 metros nado livre e duas pratas nos 50 metros costas e peito, respectivamente, considera e evento uma promoção de saúde para os servidores de maneira prazerosa. ''A realização dessas Olimpíadas anuais tem o grande mérito de nos motivar e incentivar a realizar uma prática esportiva regular durante todo o ano''. O nadador disse ainda que espera que mais servidores se juntem aos atletas ''e assim possamos ter uma delegação mais expressiva em 2018''.

A servidora Cláudia Gama quer participar das próximas edições.

''Não quero deixar de participar da Olimpíada da Justiça do Trabalho nunca mais '', foi o que declarou a servidora Cláudia Mangabeira Sampaio Gama, da 14ª Vara do Trabalho de Salvador, que conquistou cinco medalhas de ouro, sendo duas na natação (50 e 100m livre) e três no atletismo (1.500, 3.000 e 5.000 m). Cláudia conta que para ela foi um desafio ganhar nas provas de curta distância do TRT5, já que ela participa há 16 anos de corridas extensas como a Meia Maratona do Rio, com prova de 21 km, e do Ironman, na modalidade de triathlon, com um percurso que soma mais de 225 km entre natação, ciclismo e corrida. ''Dessa vez eu fui convidada a fazer parte da equipe, nos próximos anos eu mesma vou me inscrever. É muito emocionante.'', completou.

 

Atletas na cerimônia de abertura da Olimpíada de 2017

 

ONJT – Os atletas descrevem a Olimpíada da Justiça do Trabalho como um evento grandioso, organizado e bem estruturado. Desde a escolha da cidade, que precisa ter estrutura para sediar os jogos, com pista de atletismo, a piscina olímpica e as instalações em geral minuciosamente escolhidas, até a seleção da equipe de fisioterapeutas, massoterapeutas e todos os profissionais que contribuem com suas habilidades para a concretização da cerimônia.

Eles ainda afirmam que a ONJT é “uma grande oportunidade para servidores de vários estados se conhecerem e interagirem, principalmente nas solenidades de abertura e encerramento”.

 

Secom TRT5 (Nailan Brasil) – 25/10/2017