Novembro Laranja: artigo da Coordenadoria de Saúde do TRT5 alerta sobre problemas relacionados ao zumbido

A Coordenadoria de Saúde do TRT5 encaminhou o texto abaixo, de autoria da médica do trabalho e otorrinolaringologista Luciana Mascarenhas, sobre a importância da campanha de prevenção dos problemas relacionados ao zumbido.

Secom TRT5  (Lázari Britto) - 09/11/2020
 
 

Novembro Laranja: Campanha de Alerta ao Zumbido

Cerca de 20% da população mundial sofrem desse distúrbio: "barulhos" nos ouvidos ou na cabeça, que podem ser percebidos como um chiado, assobio ou apito, e que não são causados por uma fonte externa. A manifestação está relacionada a problemas da vida moderna, como estresse, hipertensão arterial, exposição crônica a ruídos, fadiga, depressão e ansiedade. Embora seja mais frequente em idosos, devido ao fato de a via auditiva sofrer um processo de envelhecimento levando à perda auditiva, definida como presbiacusia, sabe-se que ele pode ocorrer em qualquer idade, incluindo as crianças. Em 80% dos casos, no entanto, o ruído não influencia o cotidiano dessas pessoas.
 
Apesar da existência de diversas teorias sobre os motivos do aparecimento do zumbido, sua origem ainda é assunto controverso, mas sabe-se que este sintoma é multifatorial, podendo acontecer em múltiplas patologias e em hábitos de vida inadequados.
 
Algumas causas estão relacionadas a doenças do próprio ouvido (infecções, deficiência auditiva, rolha de cerumem...), traumatismos cranianos, medicamentos ototóxicos (aspirina, outros anti-inflamatórios, antibióticos, diuréticos, quimioterápicos...), anemias, diabetes, dislipidemia, deficiência de zinco, problemas da vida moderna, como estresse, hipertensão arterial , exposição crônica a ruídos, fadiga, depressão e ansiedade, alteração dos hormônios tireoidianos, disfunção da articulação temporomandibular e até tumores.
 
O zumbido é um ritmo mais acelerado de disparos elétricos no ouvido. Quando há perda de audição, o ouvido tenta compensar isso com um ritmo mais veloz dos disparos, ocasionando  esse sintoma, logo  perda auditiva e zumbido apresentam uma tendência a ocorrerem simultaneamente.
 
Hoje já existe tratamento para o zumbido. Desde uma alimentação mais equilibrada, evitando-se excesso de açúcar, café , lipídios, até o uso de medicamentos, aparelhos auditivos e tratamentos mais específicos, porém não há um tratamento único que seja válido para todos os pacientes, assim como não podemos desconsiderar a associação de fatores como causa do zumbido. O zumbido pode piorar com a exposição frequente a sons intensos, consumo de álcool, cafeína, nicotina e situações de estresse, logo a redução ou abolição desses fatores também pode ser considerada forma de tratamento.
 
Quem sofre desse tipo de distúrbio deve procurar um otorrinolaringologista para avaliação médica e a realização de exames otoneurológicos, laboratorias e se necessário estudo de imagem (tomografia, ressonância, entre outros).
 
Dra Luciana dos Reis Mascarenhas
Médica do Trabalho do TRT5
Coordenadoria de Saúde